Vinhedo: Após investir mais de R$ 48 milhões, Prefeitura encerra requisição administrativa da Santa Casa e passa a comprar procedimentos do hospital Vinhedo: Após investir mais de R$ 48 milhões, Prefeitura encerra requisição administrativa da Santa Casa e passa a comprar procedimentos do hospital
Durante evento na instituição nesta segunda-feira, o prefeito Jaime Cruz entregou ao hospital um valor de R$ 2.026.595,59, resultado da quitação financeira da Administração... Vinhedo: Após investir mais de R$ 48 milhões, Prefeitura encerra requisição administrativa da Santa Casa e passa a comprar procedimentos do hospital

Durante evento na instituição nesta segunda-feira, o prefeito Jaime Cruz entregou ao hospital um valor de R$ 2.026.595,59, resultado da quitação financeira da Administração Municipal com a instituição

Após um período de 3 anos e meio comandando a Santa Casa de Vinhedo por meio de uma requisição administrativa, procedimento determinado pelo prefeito Jaime Cruz e que contabilizou investimentos de mais de R$ 48 milhões (entre custeio, reformas e equipamentos), que resultaram em uma profunda reestruturação física e de gestão na instituição, a Prefeitura de Vinhedo encerrou o procedimento nesta segunda-feira, 5, e a partir de agora passará a remunerar o hospital por procedimentos.

“Ajude o Portal Novidade a crescer, dê um click nos banners de publicidade”

O encontro que marcou o término da requisição administrativa e a assinatura do termo de convênio por meio do qual a Prefeitura passa a comprar procedimentos da Santa Casa ocorreu na manhã desta segunda-feira, 5, na instituição. Na oportunidade, o prefeito Jaime Cruz fez também a entrega de um valor de R$ 2.026.595,59, resultado da quitação financeira do período. Agora, o hospital volta a ter gestão própria e independente da Prefeitura.

Além do prefeito Jaime Cruz, estiveram presentes a vice-prefeita e secretária de Cultura e Turismo, Claudinéia Vendemiatti; o presidente da Câmara, Nil Ramos, e diversos outros vereadores; o gestor geral do hospital, Celso Beltramini, e a provedora, Marta Elisa; o presidente do Conselho Municipal de Saúde, Francisco de Assis Albino; o secretário municipal de Saúde, Alexandre Viola, além de diversos outros secretários municipais e representantes da Administração Municipal, de entidades e do hospital.

Em sua fala, o prefeito Jaime Cruz lembrou de quando foi à Câmara, no dia 4 de agosto de 2014, para anunciar que faria a requisição administrativa que, posteriormente, mais precisamente em 2 de abril de 2016, resultaria na reabertura da Nova Santa Casa, único hospital do município.

“Graças a Deus deu certo. Coloquei o meu nome. Acertamos principalmente por termos despolitizado o hospital. Colocamos a vida em primeiro lugar. Agora, encerramos a requisição e passamos a remunerar por procedimento. Burocraticamente deixamos o hospital, mas como chefe do Executivo, não abandonaremos o hospital em hipótese alguma”, declarou o prefeito Jaime Cruz.

 

O secretário de Saúde, Alexandre Viola, explicou que, pelo termo de convênio assinado com o hospital, a Prefeitura irá pagar à Santa Casa, no caso de procedimentos de baixa e média complexidade, um complemento de 3,42 vezes além da tabela SUS e, para alta complexidade e Serviço de Apoio Diagnóstico Terapêutico (SADT), o valor do SUS e um acréscimo de 2,6 vezes. “Esses índices vieram de uma série histórica e da inflação hospitalar. A Santa Casa está crescendo. Vamos continuar sendo parceiros. A diferença é que agora vamos pagar por produção”, salientou o secretário. 

Evolução durante a requisição

No período em que foi administrada pela Prefeitura, a Santa Casa recebeu investimentos pesados e passou por uma reformulação estrutural e também em sua gestão, que a prepararam não somente para a reabertura, mas também para esse momento, de ter autogestão.

Um novo Centro Cirúrgico foi construído, em novo local, possibilitando a ampliação de 3 para 5 no número de salas. Foram instalados, em cada, os focos cirúrgicos e a iluminação do campo cirúrgico, permitindo regulagens de posicionamento e intensidade de luz.

O telhado da UTI foi reformado e forro foi colocado após a instalação dos dutos do Sistema de Climatização e Controle de Contaminação, equipamento específico para ser utilizado em área hospitalar. Com a obra, o  número de leitos da UTI passou de 6 para 11, somente com otimização das instalações e readequação de espaço físico, com possibilidade de nova ampliação.

Também foi feita instalação da rede de canalização de gás apropriada e da área de controle de distribuição do mesmo, que está ligada a respiradores para atender pacientes internados na UTI. Os gases medicinais incluem oxigênio, ar comprimido e óxido nitroso. Foi refeito também todo o sistema elétrico.

Na ala da Maternidade os trabalhos contemplaram a substituição de todo o sistema elétrico, com adequação de cabeamento, instalação de tomadas que não existiam e sistema de distribuição de energia elétrica nos leitos, de acordo com as normas vigentes para ala hospitalar. Antigamente, a carga elétrica que chegava aos quartos da Maternidade não era suficiente para todos os chuveiros funcionarem de forma adequada.

A reforma nos quartos da Maternidade proporcionou mais conforto às mães e recém-nascidos. São nove quartos, com 14 leitos no total, sendo que não há diferenciação de quartos para atendimentos de convênios e SUS – Sistema Único de Saúde.

O hospital também passou a ter novos equipamentos: cinco carros de medicamentos para armazenar os medicamentos utilizados no Centro Cirúrgico; cinco carros de emergência, um para cada sala cirúrgica, para armazenar e facilitar o acesso aos equipamentos para entubação, checagem de sinais vitais, entre outras funções; e três carros de anestesia que serão utilizados para sedação dos pacientes para as intervenções cirúrgicas.

Também foram adquiridas quatro mesas cirúrgicas e uma mesa de parto, para realização de partos normais ou cesarianas no Centro Cirúrgica, além de 11 camas elétricas a serem usadas na UTI. Também recebeu monitores multiparâmetros, para UTI e Centro Cirúrgico; bisturi eletrônico (Centro Cirúrgico), Central de monitoramento dos monitores multiparâmetros (UTI), eletrocardiógrafo (Centro cirúrgico e UTI) e Auto Clave (central de materiais).

Mesmo após a reabertura, os investimentos continuaram. No ano passado, em março, a Santa Casa passou a contar com uma Unidade Neonatal, um local específico e adequado para cuidar dos bebês recém-nascidos que necessitam de cuidados especializados de baixa e média complexidade, como os prematuros, que nasceram antes dos nove meses de gestação, apresentam baixo peso ou algum tipo de problema ao nascer.

Todo o trabalho desenvolvido permitiu que, em outubro do ano passado, todo o atendimento de urgência e emergência do município, feito por meio da Central 192 e 193, passassem a ser direcionados para a Santa Casa de Vinhedo. E o pronto atendimento, no período noturno (das 19hs às 7hs), também passou a ser realizado na Santa Casa de Vinhedo, que já atendia SUS na maternidade e nas internações.

Nenhum comentário até o momento.

Seja o primeiro a deixar comentários abaixo.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *