Coordenadora de Estética e Cosmética da Uniara alerta sobre os cuidados com a pele, na estação mais quente do ano No Brasil, o verão...

Coordenadora de Estética e Cosmética da Uniara alerta sobre os cuidados com a pele, na estação mais quente do ano

No Brasil, o verão é sinônimo de sol e temperaturas elevadas. É na estação mais quente do ano que as pessoas, geralmente de férias, ficam mais tempo ao ar livre e expostas à luz solar, de acordo com a coordenadora do curso de Estética e Cosmética da Universidade de Araraquara – Uniara, Carla Cabrini Mauro, que explica que o sol é o principal responsável pelo envelhecimento da pele e pelo surgimento do câncer.

“Apenas um pequeno clique nas publicidades é uma grande ajuda para manter nosso Portal”

“Exatamente nesta época, o raio ultravioleta B, principal causador do câncer de pele, apresenta maior intensidade. Cerca de 70% desse tipo de câncer ocorre na face. As queimaduras solares se acumulam ao longo da vida e, por isso, predispõem à doença. Com o passar do tempo, esse hábito é extremamente danoso à pele, que se torna ressecada, manchada e sem elasticidade. A consequência é o envelhecimento precoce e aumento de rugas, especialmente em pessoas de cútis mais clara, com pouco pigmento protetor, a melanina. Por isso, todos os cuidados devem ser tomados para se evitar a ação danosa do sol”, ressalta a docente.

Além disso, de acordo com ela, no verão podem ocorrer outros danos como aumento da oleosidade, dilatação das glândulas sebáceas – “a pele acha que está desidratada e passa a produzir mais sebo” -, aparecimento e crescimento de manchas de pele, “e a herpes pode se manifestar, pois os raios solares mudam o pH da pele, desequilibrando a imunidade, entre outros fatores”.

Pessoas de peles morena e negra também devem usar filtro solar. “A exposição aos raios UV A e UV B causa imunodeficiência, seja qual for a cor da pele. E, ao contrário do que muitos pensam, os negros adquirem rugas em decorrência do excesso de sol. Independentemente do tipo de pele, deve-se usar sempre protetor solar”, diz a coordenadora.

Outra recomendação de Carla é para que, após o verão, as pessoas procurem um dermatologista, “pois podem indicar ácidos renovadores que não descascam a pele, como cremes especiais manipulados com fórmulas à base de ácido fítico, lático, glicólico, alfa-hidroxiácidos e lactatos”. “Diferentemente dos cosméticos prontos, contêm doses mais altas dos princípios ativos, garantindo uma resposta rápida e certeira. Outra vantagem é a possibilidade de aproveitar os benefícios desses ácidos sem perder o bronzeado, porque eles não esfoliam a pele”, destaca.

A atenção, contudo, deve ser uma preocupação durante todo o ano, sendo que, no inverno, por exemplo, os cuidados não devem ser deixados de lado, segundo ela. “Os raios ultravioletas B (ou UV B) alternam sua intensidade em alguns períodos, mas os raios ultravioletas A (ou UV A) têm poder de penetração regular durante todo o ano. O alerta principal no inverno é para pessoas com pele muito clara, geralmente loiros e ruivos, que têm olhos claros. São mais sensíveis e, portanto, estão mais vulneráveis ao câncer de pele que, por ter um efeito cumulativo, pode aparecer vinte, trinta ou quarenta anos depois da exposição exagerada aos raios UV A e UV B”, finaliza.

Informações sobre o curso de Estética e Cosmética da Uniara podem ser obtidas no endereço www.uniara.com.br ou pelo telefone 0800 55 65 88.

Nenhum comentário até o momento.

Seja o primeiro a deixar comentários abaixo.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *